Poesia em Pele de Propaganda 1

Lambes de Xerell e Desali
Lambes de Xerell e Desali

Introdução

Neste trabalho, opto por abordar as manifestações artísticas em espaços públicos de Belo Horizonte nos últimos dez anos, especificamente aqueles que trafegam dentro da linguagem gráfica dos lambes e stickers: um recorte dentro de um universo maior que é o da arte de rua. A iniciativa de se construir um pequeno arquivo com termos, conceitos, uma relação de artistas, eventos, locais e imagens de lambes e stickers de rua de Belo Horizonte dos últimos dez anos, acompanhada de um registro visual, surge como uma possibilidade de dar alguns parâmetros para o conhecimento desta produção. Apesar de efêmera por essência e muitas vezes anônima, não precisa e não deve ser esquecida.

No começo, ainda no início dos anos 2000, os artistas que estavam envolvidos com a produção de lambes e stickers, produziam seus trabalhos para a rua como uma extensão daquilo que produziam em outros formatos com questionamentos particulares, pessoais. Mas, aos poucos, essa produção foi se tornando coletiva, já que a interação e a troca entre os artistas cresceu. A princípio, muitos artistas, jovens, expressavam em seus trabalhos apenas um exercício estético ou pensavam nos stickers e lambes apenas como um desdobramento da linguagem do grafite, por exemplo. Com o tempo esses artistas começaram a explorar as possibilidades gráficas e de linguagem do lambe e as possibilidades criativas e estéticas que este formato, em si, pode oferecer. E ainda no início, a consciência crítica sobre as implicações políticas e o potencial criativo de se viver a cidade por meio do fazer artístico ainda estavam em uma etapa embrionária, pouco reflexiva, mas em determinado momento estes elementos se tornaram essenciais, se tornando, talvez, o mote principal da produção gráfica de rua de Belo Horizonte.

Agora, os artistas de rua que ainda persistem em investir no formato lambe/sticker já têm à sua frente um panorama ampliado da potência e das possibilidades que seu trabalho pode criar. E esta publicação pode servir como ponto de referência para se refletir sobre este potencial.

O que são lambes e stickers?

Stickers de Yellow Dog, 2005.
Stickers de Yellow Dog, 2005.

Os lambes[i] e stickers[ii] são suportes em folhas de papel, de variados tamanhos, pôsteres e cartazes (colados com grude artesanal) ou adesivos autocolantes produzidos para serem pregados na rua, sejam em muros ou outros equipamentos urbanos, como postes, hidrantes, lixeiras etc. Originalmente, são uma derivação da linguagem do grafite. São comuns em grandes cidades do mundo e geralmente trazem assinaturas ou ilustrações que representam uma autoria. Porém, podem derivar para outros tipos de imagens, mensagens e intenções.

Foi o que aconteceu em Belo Horizonte, onde os lambes e stickers extrapolaram para uma grande variedade de estilos e ideias criativas. Apesar de se tratar de uma linguagem específica, nem sempre podem ser resumidos ou limitados pelo seu suporte (o papel em si, colado em muros e outros equipamentos urbanos). Em Belo Horizonte os artistas que produzem lambes muitas vezes trabalham com outros suportes, técnicas e linguagens, além de compartilharem o mesmo espaço de criação/intervenção – a rua – e a própria vivência com artistas que fazem uso de outras linguagens, como é o caso do grafite e da pixação. Estas duas últimas manifestações não são o foco deste documento. No entanto, por se tratarem de manifestações de linguagem muito próximas aos lambes e stickers, não seria possível desenvolver um trabalho sobre arte de rua sem citá-las em algum momento. A prática e as motivações das manifestações em arte gráfica de rua são um tanto híbridas, com referências em outras práticas.

Em Belo Horizonte, a produção mais constante começou no início dos anos 2000, com vários artistas produzindo e compartilhando experiências. Não houve a formação de um grupo único, a maioria dos artistas produziu individualmente ou formou pequenos grupos de produção coletiva ou de simples interação, produzindo em um diálogo criativo, influenciando uns aos outros. Mas, devido à interatividade e proximidade destes artistas, é possível traçar algumas características comuns de identidade e de criação.

As manifestações artísticas que este trabalho tem por objeto são práticas de jovens artistas que, exatamente por serem jovens, transmitem em suas criações a necessidade de experimentação e a identidade juvenil que lhes é inerente. A ação performática de ir à rua e encarar a urbe agressiva com pequenas tiras de papel representa bem o impulso juvenil idealista.

Outro aspecto específico deste universo criativo diretamente ligado à sua origem juvenil é a estreita relação entre a experiência da intervenção no espaço público com o seu registro e posterior divulgação no espaço virtual. A web e o seu potencial interativo servem como um espaço expandido daquilo que é experienciado na rua. Para além de uma simples ferramenta de registro e divulgação, a interação que o espaço virtual oferece se torna uma etapa importante do processo criativo, pois permite que aqueles que estão criando em um mesmo espaço físico possam superar a barreira do anonimato e se conhecer (por mais que o anonimato às vezes seja proposital, tema abordado neste trabalho), além de compartilharem seus trabalhos e suas referências. O número crescente de jovens artistas interessados em experimentar o espaço público acompanhou e, sem dúvida, foi influenciado pela popularização do acesso à web nos últimos dez anos.

Parte 2>


Pequeno lambe de Popstencil, 2006
Pequeno lambe de Popstencil, 2006.

[i] Lambe: Suporte em papel a ser afixado com cola industrial ou artesanal em locais públicos. Variam quanto à técnica, tamanho e formato. Podem ser impressos artesanalmente em serigrafia, em gráfica comercial ou ainda escritos ou pintados à mão. Podem ser em preto e branco ou coloridos. Seu formato pode ser retangular, quadrado ou irregular, se adaptando à ilustração ou mensagem inscrita. A técnica é tradicional e pode ser utilizada tanto para fins publicitários quanto artísticos.

[ii] Sticker: Pequenos adesivos autocolantes feitos para serem afixados em locais públicos. Variam quanto ao tipo: etiquetas assinadas ou desenhadas, pedaços de adesivo vinil reaproveitado ou adesivo impresso em gráfica comercial. Em sua maioria, são coloridos e trazem ilustrações. Mas também podem ser suporte para assinaturas em formato de tags ou pequenas mensagens em formato de texto. Têm tamanho reduzido (poucos centímetros). Este termo também é utilizado para se referir a pequenos lambes.

lambes de Palestina, 2007
Lambes de Palestina, 2007

Bibliografia:

ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. Tradução Denise Bottmann, Frederico Carotti; prefácio Rodrigo Naves. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. xxiv, 709 p., il. color.

BENJAMIN, Walter. O flâneur (orig. al. 1967). In: BENJAMIN, Walter; KOTHE, Flávio René. Walter Benjamin: Sociologia. São Paulo: Ed. Ática, 1991.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. 2ª reimp. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

_______. Introdução a uma crítica da geografia urbana. In: JACQUES, Paola Berenstain (org.). A apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

_______.  Teoria da Deriva. In: JACQUES, Paola Berenstein. A apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. 5ª edição. São Paulo: Perspectiva, 2004.

ITAÚ CULTURAL. Enciclopédia de Artes Visuais. Disponível em: http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseaction=termos_texto&cd_verbete=325.  Acesso em: 23 de maio. 2013

JACQUES, Paola Berenstein. A apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

_______. Elogio aos errantes. Breve histórico das errâncias urbanas. Arquitextos, São Paulo, n. 053, out. 2004. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq000/esp256.asp.

_______. Corpografias Urbanas. Arquitextos, São Paulo, n. 93. fev. 2008. Disponível em: www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq093/arq093_02.asp

KOOLHAAS Rem. Três textos sobre a cidade. Barcelona: Editora GG, 2010

PALLAMIN, Vera. Arte urbana. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2000.

ROSENBERG, Harold. Desestetização. In: BATTOCK, Gregory. A nova arte. São Paulo: Perspectiva, 2004

______. Arte urbana como prática crítica. In: PALLAMIN, Vera (Org.). Cidade e cultura. São Paulo: Estação Liberdade, 2002.

SITUACIONISTA, Internacional. Definições. In: JACQUES, Paola Berenstein. A apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

%d blogueiros gostam disto: